0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Ricardo

  • *
  • Moderador Global
  • Aprendiz de Mestre
  • *****
  • Mensagens: 712
  • Sexo: Masculino
Para todos aqueles que adoram saber mais sobre astrologia e psicologia  ;) Vai contra todos os preconceituosos que desvalorizam a astrologia, as mentes mais brilhantes viram o seu valor e já na Grécia Antiga era uma disciplina tão importante como a Matemática.
NOTA: Sinastria é aquilo que vulgarmente se chama compatibilidade amorosa. Ao colocar um mapa em cima do outro (conforme determinadas regras), é possível calcular os ângulos entre os astros de cada pessoa, percebendo a força da relação amorosa ou se é apenas uma amizade ou se nunca vai resultar; e que desafios podem ultrapassar pelo caminho.


Carl Gustav Jung (1875-1961) foi um importante psiquiatra e pensador, criador da psicologia analítica.
Tornou-se um psicanalista importante, logo a seguir a Freud.

Como poucos sabem, estudou muito Astrologia e interessava-se pelo tema especialmente na sua tentativa de compreender o universo, as pessoas, a alma humana e todos fenómenos que estudava. Podemos encontrar Astrologia em muitas das suas obras e estudos. Uma delas é o livro O segredo da flor de ouro: um livro de vida chinês, que escreveu com Richard Wilhelm.
Neste livro, Jung diz que a Astrologia “representa a soma de todo o conhecimento psicológico da Antiguidade” e, ainda, fala sobre “a possibilidade de se reconstruir o carácter de uma pessoa, a partir do mapa astral da hora do seu nascimento”. Jung ainda nos lembra que “o que nasce ou é criado num dado momento adquire as qualidades deste momento”.  Ainda neste livro, ao falar sobre a filosofia oriental, Jung aponta que “seu pressuposto inicial é o de que cosmo e homem, no fundo, obedecem às mesmas leis; o homem é um cosmo em miniatura, não estando separado do macrocosmo por barreiras intransponíveis. São regidos pelas mesmas leis e há uma passagem ligando uma situação à outra. Psique e cosmo comportam-se como mundo interior e mundo ambiente.


Outra obra importante de Jung na qual encontramos muita Astrologia é no livro Sincronicidade. Neste livro, Jung apresenta sua teoria sobre sincronicidades, que são coincidências significativas, que tenham uma conexão cruzada. Por ter grande preocupação em constatar a teoria de forma científica, Jung recorreu a outras áreas do conhecimento que pudessem comprovar ou ajudar a definir as sincronicidades. Entre elas, buscou o I Ching e a Astrologia, experiências e sonhos pessoais e dos seus pacientes. Jung considerava a Astrologia uma sincronicidade, já que para ele é uma coincidência significativa o facto de que os movimentos celestes reflectem acontecimentos terrestres e vice versa.

Experiencias práticas que fez:
Jung fez uma “experiência astrológica”. Para tal, utilizou mapas astrológicos de casais, na tentativa de investigar a possível existência da ocorrência em grande escala dos aspectos astrológicos tradicionais que deveriam aparecer na combinação entre os mapas. Segundo a tradição, os aspectos mais presentes seriam conjunção Sol e Lua, a relação amorosa entre Marte e Vênus e as relações destes astros com o ascendente e o descendente.

Na primeira experiência, a conjunção entre a Lua (feminina) e o Sol (masculino) apareceu em primeiro lugar, o que confirmou a correspondência astrológica e alquímica tradicional do casamento com os aspectos entre o Sol e a Lua. Em primeiro lugar, encontrou a conjunção Sol-Lua e em seguida conjunções entre o ascendente (feminino) e vênus (masculina) ou entre Lua (feminino e o ascendente masculino). Em seguida realizou outra pesquisa, desta vez encontrando em primeiro lugar a conjunção entre ambas as Luas. Além disso, encontrou conjunções entre ascendente e Lua, Sol e Vénus, Sol e Marte e entre ambos ascendentes. Assim, esta segunda experiência também confirmou a antiga tradição, na qual ascendente, Sol e Lua são “uma tríade que determina destino ou o carácter dos indivíduos”.
Jung ainda fez mais um teste, no qual encontrou uma predominância de Marte e relações entre o ascendente. Por fim, combinando os resultados de todos os testes, Jung demonstrou que por mais que dependendo da forma como forem combinados os mapas e elaborado o teste, mesmo que os resultados sejam diferentes, “não impede que a conjunção clássica apareça”. Ou seja, a probabilidade “calculada para Sol conjunto Lua e Lua conjunto Lua representa uma quantidade bastante grande que poderia estar ligada a uma certa regularidade”.


fonte: titividal.com