0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Ricardo

  • *
  • Moderador Global
  • Aprendiz de Mestre
  • *****
  • Mensagens: 712
  • Sexo: Masculino
Mapa astral e baixa auto-estima
« em: Março 03, 2018, 11:45:03 »
Para todos os curiosos e amantes de astrologia  :-*

Não são poucas as pessoas que se queixam de uma sensação vaga e imprecisa de abalo de auto-estima, mesmo quando são bem sucedidas nos seus múltiplos papéis; isto em geral as coloca numa roda-viva de necessidade de se afirmar, por mais que tenham sucesso, não lhes permitindo descanso nem momentos de relaxamento maior.

Quando, por exemplo, numa carta astrológica natal o Sol da pessoa recebe uma Conjunção, Quadratura ou oposição de Saturno, desenvolve-se dentro dela, desde a primeira infância, uma pesada sensação de estar a fazer algo errado ou censurável pelo simples fato de existir; este dado também nos informa que provavelmente o pai desta criança exigia dela um rígido desempenho global, na mesma medida em que fora dele exigido, não dando à criança oportunidade de desenvolver uma postura interna de optimismo e crença na vida e em si mesma.

Como resultado, estruturou-se nela um vigoroso superego, razão pela qual no futuro, mesmo quando pudesse ou desejasse, sempre carregaria a pesada sensação de “estar sendo vigiada” e poder ser alvo, a qualquer momento, de pesadas acusações de incapacidade (as casas astrológicas envolvidas relatarão em detalhes a intensidade da cobrança e as áreas de actividade mais directamente penalizadas).

Outras vezes, esta sensação de auto-estima abalada provém de outra história: se a carta da pessoa mostrar uma Quadratura entre Marte e Lua, pode-se ter verificado uma pesada rejeição materna à gravidez e, como consequência, a criança foi obrigada a conviver com pesados sentimentos de rejeição pelo simples facto de existir. Pior ainda se esta mesma carta apresentar uma quadratura ou oposição entre Plutão e Marte: muito provavelmente a mãe tentou um aborto ou ao menos desejou ardentemente efetivá-lo.

Outra carta astrológica natal poderia mostrar o Sol em quadratura com Marte, num cenário doméstico no qual o pai não está feliz consigo mesmo; se é carta de uma mulher, muito provavelmente este pai desejava um filho e rejeitava pesadamente a filha “pela simples razão dela ser mulher”.

Aliás, se a carta astrológica natal é de uma mulher, quaisquer ataques à Lua ou a Vénus (quadraturas e oposições de Marte, Saturno, Júpiter e Urano, ou Lua e Vénus em quadratura ou oposição entre si) abalam vigorosamente sua noção interior de feminilidade e, por consequência, a auto-estima (posto que ela se identifica externamente como mulher, mas internamente não confia em si mesma); por sua vez, se a carta é de um homem, quaisquer “ataques” contra o Sol, Marte e mesmo Júpiter podem instalar sentimentos análogos em relação à própria masculinidade.

Por vezes, basta que a pessoa tenha se identificado em demasia com a figura parental do mesmo sexo e, caso a carta astrológica natal nos garanta, tal figura tenha sido uma “perdedora”: muito provavelmente, quando adulto este indivíduo carregará pesados sentimentos de ser também um perdedor.

As situações são inúmeras, as causas são sempre complexas e não se esgotam em um ou outro aspecto apenas da carta astrológica natal; o importante, na verdade, é que é possível entender as razões de tais sentimentos e, de posse deste conhecimento, trabalhar no sentido de alterar o conjunto de memórias inconscientes que os mantêm.


fonte:https://espacoastrologico.org